PROJECTO:  SELAGEM DA LIXEIRA DA SILVEIRA - LAJES DO PICO CLIENTE:     ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DO PICO LOCAL:        ILHA DO PICO ANO:           2007 RESUMO:   O projecto  teve  como  principal  objectivo  a  recuperação e integração  paisagística  da  lixeira da Silveira, de modo a possibilitar a  recuperação do espaço existente e minimizar os impactes ambientais decorrentes do seu actual estado.  Foram dimensionadas as diversas infra-estruturas de protecção ambiental que visam a minimização dos impactes ambientais negativos gerados pela lixeira, bem como as necessárias à monitorização ambiental. A ECOserviços realizou o projecto em 2007 e a obra em 2009 já se encontrava concluída. O Dono de Obra foi a Associação de Municípios da Ilha do Pico e a obra teve um custo na ordem dos 375.500€. PROJECTO:  FISCALIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DO ATERRO DE MULENVOS DE CIMA CLIENTE:     ELISAL LOCAL:       LUANDA-ANGOLA ANO:          2008 / 2011 RESUMO:  A fiscalização da operação do aterro sanitário de Mulenvos de Cima foi iniciada pela ECOserviços/Sitel Angola com o início da  exploração, a cargo do consórcio construtor.  A fiscalização visa verificar e acompanhar todas as actividades decorrentes da operação. Desde a recepção dos resíduos até à sua triagem e  deposição final nas células, controlo das águas lixiviantes produção de biogás, gestão de máquinas e operacional.  PROJECTO:  ATERRO SANITÁRIO DO HUAMBO CLIENTE:     GOVERNO PROVINCIAL DO HUAMBO LOCAL:        HUAMBO - ANGOLA ANO:           2011 RESUMO:   O aterro sanitário do Huambo destina-se à deposição de Resíduos Sólidos Urbanos, ou equiparados e prevê-se que a sua construção  se inicie em 2011. A área prevista para a implantação do aterro com todas as infra-estruturas incluídas corresponde a aproximadamente 100 ha, dos quais 60 ha  serão destinados ao confinamento dos resíduos e cerca de 13 ha à selagem da lixeira actual. Este projecto foi elaborado para servir uma população de cerca de 2 milhões de habitantes no horizonte de projecto e deverá ter uma vida útil de  20 anos. Estima-se que para a vida útil do aterro, a produção de resíduos será de 10 milhões de toneladas. Para além da preparação dos alvéolos, o aterro envolverá a construção das infra-estruturas gerais, administrativas e de apoio. Ainda no âmbito deste projecto, foi elaborado o Manual de Exploração do aterro que deverá nortear os trabalhos de operação e manutenção. PROJECTO:  CVOC DAS FLORES CLIENTE:     SRAM - GOV.REGIONAL AÇORES LOCAL:       ILHA DAS FLORES - AÇORES ANO:          2009 RESUMO:   O projecto da CVOC da Ilha das Flores já em construção é constituído por um centro de recepção e processamento de vários fluxos de  resíduos, desde os RSU e recicláveis até aos RIP E RINP, uma estação de transferência para estas ilhas e uma central de valorização orgânica por  compostagem. O tratamento do ar é realizado por biofiltro e para o tratamento dos lixiviados foi prevista uma ETAL.  PROJECTO:  ATERRO SANITÁRIO DA GRACIOSA E CVOC CLIENTE:     SRAM - GOV. REGIONAL AÇORES LOCAL:        ILHA GRACIOSA - AÇORES ANO:           2009 RESUMO:    Este projecto foi elaborado para servir cerca de 5000 habitantes, ou seja, a população de toda a ilha, por forma a se encerrar o aterro anterior.  O projecto da CVOC da Graciosa já construido é constituído por um centro de recepção e processamento de vários fluxos de resíduos, desde os  RSU e recicláveis até aos RIP E RINP, uma estação de transferência para estas ilhas e uma central de valorização orgânica por  compostagem. O tratamento do ar é realizado por biofiltro e para o tratamento dos lixiviados foi prevista uma ETAL.  PROJECTO:   DEFINIÇÃO DOS CIRCUITOS DE RECOLHA DE RECICLÁVEIS DO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE RECOLHA SELECTIVA,                      TRANSPORTE E VALORIZAÇÃO DE RECICLÁVEIS, DOS MUNICÍPIOS DO ALENTEJO LITORAL,                     ALJUSTREL E FERREIRA DO ALENTEJO CLIENTE:     AMBILITAL LOCAL:        ALENTEJO LITORAL, ALJUSTREL E FERREIRA DO ALENTEJO ANO:           2007 RESUMO:   Execução de um cadastro com a informação georeferenciada de todas as infra-estruturas disponíveis e contentores destinados à recolha selectiva, bem como a sua frequência de recolha e respectivo calendário. Foi ainda feita uma recolha de dados exaustiva sobre as principais características dos seis municípios servidos, nomeadamente, distribuição da população residente por lugar, rede viária, produção mensal de resíduos, composição física dos resíduos produzidos, entre outras. Com base no cadastro, foram criados circuitos (rotas) de recolha a implementar com estimativa das quantidades de resíduos a recolher em cada ecoponto e dos tempos totais respectivos (de percurso e das operações de carga/descarga). As rotas criadas foram optimizadas à luz do princípio da minimização dos custos do sistema de recolha, impondo restrições relativas aos níveis mínimos de serviço a assegurar. Finalmente, procedeu-se à afectação destas rotas aos veículos, definindo um calendário periódico de operação  do sistema. REMOÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS